segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Negada liminar aos bancários para fechar agências a partir de terça no RS

Justiça negou o pedido de liminar do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (SindBancários), e as agências devem abrir normalmente, nesta terça-feira, mesmo em caso de aquartelamento de policiais da Brigada Militar (BM). De acordo com o presidente da entidade, Everton Gimenis, a Justiça considerou que não há provas de que a violência tenha aumentado em agosto, em razão do primeiro aquartelamento, no dia 3 devido. O juiz também afirmou não indícios de que a atitude dos funcionários da BM possa causar uma onda de crimes no Rio Grande do Sul.

Gimenis avaliou que o magistrado desconsiderou a segurança de funcionários e clientes ao indeferir o pedido. Ele ressaltou que na terça-feira, o SindBancarios entra com um Mandado de Segurança para, mais uma vez, tentar o fechamento dos estabelecimentos bancários enquanto durar o aquartelamento.


Fonte: Dico Reis / Rádio Guaíba

Paralisação dos servidores do RS deve seguir até semana que vem

Paralisação dos servidores do RS deve seguir até semana que vem | Foto: Paulo Nunes
 
Servidores do Estado definiram, na tarde desta segunda-feira, uma série de manifestações para a semana e que, possivelmente, só retornarão ao trabalho na outra terça-feira, dia 8. Representantes de diversas categorias estiveram reunidos na sede da Federação Sindical dos Servidores Públicos do RS (Fessergs) para traçar uma estratégia de protestos contra o parcelamento de salários colocado em prática pelo governador José Ivo Sartori. De acordo com a presidente do Cpers, ficou definido que o apoio principal será aos servidores da segurança pública. Policiais civis atendem somente casos graves desde esta segunda-feira. A partir desta terça, brigadianos prometem não deixar os quarteis, afastando-se do policiamento de rua.

O ponto de concentração vai ser a entrada do Centro Administrativo Fernando Ferrari. A exemplo do que ocorreu no primeiro dia de protestos, sindicalistas impedirão o acesso de servidores. Entidades divulgaram nota, quanto à segurança, para cidadãos "se protegerem como puderem".

À tarde, os manifestantes seguem até a Assembleia Legislativa a fim de acompanhar as votações do dia. Eles querem a retirada de projeto da deputada Regina Becker, que muda a Lei de Gestão Democrática. A matéria trata de eleições de diretores de escolas e escolha de conselheiros tutelares. A categoria reclama que não foi chamada para debater o tema.

Na quarta-feira o Conselho Geral de servidores se reúne para definir se o retorno ao trabalho ocorre na sexta-feira ou na terça-feira da semana que vem. Na quinta-feira, ocorre um ato público, à tarde, na frente da Assembleia Legislativa. Durante a manhã, os servidores participarão de audiências públicas no parlamento.

Independente de voltar ou não ao trabalho na próxima terça-feira, servidores prometem lotar as galerias das Assembleia Legislativa. Eles vão acompanhar a votação de projetos do governador enviado em regime de urgência, e que até lá vão estar trancando a pauta do dia. As propostas fazem parte dos pacotes contra a crise anunciados por Sartori.

Diante do anúncio de aquartelamento de policiais militares, o comando da corporação se manifestou em nota. O texto cita a necessidade de “manter as rotinas operacionais”. Na carta, o comandante da corporação, coronel Alfreu Freitas Moreira, pede observação a “questões afetas à razoabilidade, bom senso e tolerância por parte dos Comandos, primando pelo diálogo”.

O comandante pede ainda que nenhum policial militar deixe de atender a população a fim de que a sociedade consiga “manter o sentimento de que pode contar com a Brigada Militar para protegê-la”.  O comando garante ter uma estratégia de atuação em caso de aquartelamento, mas não revela qual é a decisão já tomada. No início do mês, quando policiais militares se aquartelaram e, por consequência, deixaram de sair às ruas, o comando da corporação chamou alunos da Academia de Polícia para atuarem no policiamento ostensivo.
 
 
Fonte: Samuel Vettori/Rádio Guaíba

Cpers estima adesão de 90% no primeiro dia de paralisação no RS

A paralisação deve seguir por pelo menos quatro dias, conforme a direção da entidade | Foto: Paulo Nunes
 
O Cpers-Sindicato apurou, nesta segunda-feira com os 42 núcleos distribuídos pelo Rio Grande do Sul, que 90% das escolas estaduais suspenderam as aulas devido ao parcelamento de salários do funcionalismo. A paralisação deve seguir por pelo menos quatro dias, conforme a direção da entidade. Nesta terça-feira, protestos foram realizados pela categoria na Capital e interior.

A Secretaria Estadual da Educação relatou que, apesar de receber os dados das 30 coordenadorias regionais, não vai divulgar um levantamento. As principais escolas estaduais de Porto Alegre suspenderam as aulas devido à paralisação dos professores.

Os Colégios Júlio de Castilhos e Protásio Alves, o Instituto de Educação General Flores da Cunha e a Escola Afonso Emílio Massot, no bairro Azenha, amanheceram fechados nesta segunda-feira.
 
 
Fonte: Dico Reis/Rádio Guaíba

PM desabafa contra parcelamento de salários e post viraliza no Facebook

Mais de 6 mil pessoas compartilharam publicação | Foto: Reprodução / CP
 
O parcelamento dos salários do funcionalismo estadual motivou uma policial militar de Santiago, na região Central do Estado, a desabafar no Facebook. Na publicação, a soldado Viviane Contessa, 34 anos, relata uma “situação humilhante” ocorrida no domingo, um dia antes da confirmação do fracionamento do salário. Ela fazia patrulhamento de rotina com um colega, no Centro de Santiago, quando um grupo de jovens passou por eles e questionou: “será que eles aceitam cesta básica de doação?”. A pergunta foi seguida de um sorriso irônico, observa a policial.
 
“Vi que o comentário era pra nós, brigadianos. Em outro momento eu abordaria, identificaria e mandaria se explicar.” Entretanto, com a moral abalada, a policial confessa na publicação que só "deu vergonha e vontade de chorar”, explica. “Foi então que percebi que naquele momento meu lado polícia não estava ali me acompanhando, então o desespero foi maior.” Por último, ela conclui. “Tiraram tudo de nós, mas o que mais tá doendo é que tiraram nossa dignidade. Desculpa o desabafo. Que Deus nos dê forças.”

Por volta das 18h desta segunda-feira, a publicação já tinha sido compartilhada por mais de 6 mil pessoas, o que surpreendeu a policial militar. “Quando eu postei não me dei conta da dimensão que chegaria. Achei que no máximo um tio ou uma tia minha veriam a publicação. Mas quando eu vi que tinha 108 compartilhamentos me apavorei. Pensei: ‘É uma coisa só aqui da cidade’. Mas não, meus colegas da Operação Golfinhos, no litoral, passaram a compartilhar e, logo depois, pessoas estranhas, que eu nem conhecia, mandaram solicitação de amizade. Foi mais longe do que imaginava.”

Viviane conta que, depois da repercussão, leu novamente a publicação. “Eu me dei conta que não xinguei, não falei mal de ninguém. Militar também tem sentimentos, a diferença é que não fala. E eu falei.” Por isso, não sente receio de represálias do comando da Brigada Militar devido ao post no Facebook. “Para essa entrevista que estou tendo contigo eu tive que pedir autorização para meu comandante. E eu creio que não vai me atingir. Eu só relatei meu lado humano.”

Mãe de duas crianças - um menino de 14 anos e de uma menina de 10 anos - Viviane não sabe como fará para pagar as contas. “Eu ainda não parei para pensar. Eu, na verdade, tinha a esperança que hoje (segunda-feira) os salários seriam pagos.” Em relação ao aluguel, por exemplo, ela espera que a proprietária seja “compreensível”, diz. “Vai ficar muito humilhante se eu for despejada da minha casa.”

Horas após ter publicado no Facebook, a policial passou mal dentro do quartel. “Perto do meio-dia eu desabei numa cadeira.” Encaminhada a atendimento médico, descobriu que estava com um infecção na garganta e, por isso, vai ficar três dias afastada do serviço. “Não sei o que foi: abalo emocional ou se a imunidade que baixou. Ou uma soma das duas coisas”, diz a policial militar, que agora também se preocupa com os descontos na folha pelo afastamento.
 
 
Fonte: Hygino Vasconcellos / Correio do Povo

Diretor Wes Craven morre aos 76 anos

Diretor Wes Craven morre aos 76 anos | Foto: Jim Ruymen / AFP / CP 
 
O cineasta Wes Craven, diretor de filmes de terror que se tornaram ícones, morreu nesse domingo aos 76 anos, informou a família. Entre as obras de destaque estão "Pânico" e "A Hora do Pesadelo", que revelou o personagem Freddy Krueger.

Craven aterrorizou gerações de espetadores de cinema em todo o mundo. O diretor travava uma luta com um tumor no cérebro e, segundo a família, morreu na sua casa em Los Angeles, acompanhado por familiares.

Biografia

Craven estabeleceu as bases de sua carreira com "Aniversário Macabro", um filme de terror escrito, dirigido e editado por ele mesmo em 1972. "A Hora do Pesadelo" se tornou um grande sucesso do gênero em 1984 e apresentou ao público um dos personagens mais famosos do cinema de terror: Freddy Krueger. O psicopata interpretado por Robert Englund apareceu em oito filmes e uma série de TV. Kruger ficou para sempre associado à carreira de Craven. O filme também contava com um novato Johnny Depp, que iniciou neste filme sua carreira de sucesso.

Craven, nascido em 2 de agosto de 1939 em Cleveland (Ohio), voltou a ter um grande sucesso em 1996 com "Pânico", filme que rendeu mais três longas-metragens. A franquia que arrecadou mais de 600 milhões de dólares em todo o mundo. O filme contava com as participações de atores como Drew Barrymore, David Arquette e Courtney Cox.

A notícia da morte do diretor Craven provocou uma série de homenagens de atores e colegas de profissão. "Hoje o mundo perdeu um grande homem, um amigo e um mentor", afirmou Courtney Cox. John Carpenter, diretor de "Halloween", lamentou ter que se despedir de um amigo "muito cedo". O escritor Deepak Chopra disse ter ficado surpreso com a "morte repentina" do cineasta, que havia encontrado há duas semanas "em boa forma". Craven era casado com Iya Labunka, ex-vice-presidente dos estúdios Disney.



 

Moradores de Guaíba criam projeto que espalha poesia pelas ruas da cidade

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

De um questionamento feito numa rede social surgiu um movimento entre amigos que está liberando gotas poéticas pelas ruas de Guaíba, na Região Metropolitana, e aproximando os apaixonados por poesia espalhados pelo país. Em apenas 15 dias, a LeiaLogo, comunidade criada no Facebook pelo estudante de Pedagogia Anderson Kubiaki, 23 anos, e pelos estudantes de jornalismo Marcelo Rutschell, 29 anos, e Andrea de Oliveira, 32 anos, ganhou a simpatia de mais de 650 seguidores, inclusive de outras cidades e Estados.

— Começamos por acaso. Fiz um post perguntando aos amigos se seria legal fazer uma intervenção poética na cidade. As respostas foram positivas. Na mesma hora, a Andrea me chamou no Facebook e perguntou se eu tinha algumas para espalhar por Guaíba — conta Anderson, que também é poeta.

Andrea fez cópias de quatro poesias do amigo e as colou com fita adesiva em postes da área central. Na primeira foto divulgada na rede social dela, os compartilhamentos mostraram que os amigos queriam mais.

— Como tínhamos material, decidimos criar uma comunidade específica para compartilharmos poesia com outros moradores de Guaíba e espalharmos as mesmas pelas ruas. Surgiu o LeiaLogo se não a chuva vai descolar. A ideia é que a intervenção não fique para sempre no local, mas que possa ser vista pelo maior número de pessoas — conta Anderson.  

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Para Marcelo, que também escreve poesias, o principal objetivo é espalhar mensagens positivas pelas ruas para motivar o dia de quem passa por elas:

— Por isso, as poesias precisam ser curtas. A gente quer que as pessoas possam ler para se sentirem bem.

Com a participação espontânea de poetas anônimos, que começaram a lotar a caixa de mensagens da comunidade com novas criações de até 15 linhas, o projeto ganhou mais força. Os amigos passaram a fazer lambe-lambes, usando cola caseira feita com água, farinha, açúcar e vinagre. Três intervenções foram realizadas pelo Centro da cidade. A mais recente ocorreu na tarde de domingo.

— Temos poesias que vieram de Minas Gerais. As pessoas estão pedindo para fazermos em outras cidades. Mas, por enquanto, queremos priorizar os moradores de Guaíba e espalhar as poesias pelos bairros — comemora Andrea.  

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Ao saber da iniciativa, o secretário municipal de Meio Ambiente, Lauro Sérgio Martinez, lembrou que pelo Código Municipal de Meio Ambiente é proibido colar qualquer tipo de cartaz em postes, árvores, paredes de prédios públicos e no muro do cemitério de Guaíba. Porém, ele demonstrou interesse em conversar com os idealizadores do LeiaLogo:

— Sou favorável a qualquer manifestação cultural positiva para a cidade. Podemos pensar, inclusive, em alterar a lei municipal que proíbe a colagem em determinados pontos. Poesia é algo positivo e nada comercial.

A cada nova colagem pelas ruas, o grupo recebe apoio dos moradores. Anderson revela que o trio pensa em tentar parcerias com as escolas locais para que incentivem os alunos a escreverem poesias. Marcelo está elaborando um projeto que propõe a criação de um concurso que leve poesia para os ônibus de Guaíba, como ocorre em Porto Alegre.

— O importante é incentivar a leitura. O LeiaLogo é apenas um ruído poético no cotidiano urbano — finaliza Anderson.  

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS
Pelas ruas
 
O frio na barriga
mudou-se
para o coração
 


(Maurício Lima)  

Fogo brando
Brisa leve
Tudo está
Como deve?


(Jéssica Bica)

Se eu lhe dissesse que lhe resta pouco tempo?
E se fosse mesmo verdade?
Você começaria a viver por inteiro
ou seguiria vivendo de metades?


 (Marcelo Rutschell)

Brincar é arte
Só creio no recreio
O resto faz parte
 

(Anderson Kubiaki)

 

Para conferirwww.facebook.com/leialogo 



Reportagem: Aline Custódio
Fonte: Zero Hora 


GUAÍBA: Diretor da Metroplan diz que a obra da rotatória da Nestor com Dona Frutuosa será retomada ainda neste ano

Será retomada, ainda neste ano, a obra da rotatória no cruzamento das avenidas Dona Frutuosa, Nestor de Moura Jardim e São Paulo, no Bairro Cel. Nassuca, em Guaíba. A garantia foi dada ao prefeito, Henrique Tavares, na  manahã desta segunda-feira, 31, pelo diretor de Gestão Territorial da Metroplan, Márcio Barcellos, e pelo coordenador de fiscalização do órgão estadual, Maurício Oliveira. 

A perspectiva da Metroplan é  pagar a empresa que está executando o projeto, para que o serviço seja reiniciado, disse Barcellos. Como os pagamentos foram interrompidios em dezembro do ano passado, a obra também parou. 


 

 

Fonte: Prefeitura Municipal de Guaíba


Mostra gratuita vai reunir produções do cinema russo

"Tigre Branco", que retrata a 2ª Guerra Mundial, abre a mostra | Foto: Reprodução / CP
 
A trajetória centenária da cinematografia russa vai ser celebrada com a Mostra de Cinema Russo “Mosfilm – 90 Anos”, de 8 a 17 de setembro, em Porto Alegre. No período, serão exibidos oito filmes que abrangem desde produções de diretores consagrados, como Sergei Eisenstein, a cineastas contemporâneos, como Karen Shakhnazarov. As sessões vão acontecer na Sala Norberto Lubisco da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736), às 19h30min, com entrada gratuita.

O Mosfim é um estúdio de cinema, fundado em 1924 e que briga um acervo de mais de 2.500 filmes de diretores que ajudaram a criar a história do cinema mundial. Atualmente, a instituição é dirigida por Karen Shakhnazarov, cujo longa "Tigre Branco", de 2012, é o destaque da mostra.

Confira a seleção de filmes:
8 de setembro (terça-feira):Tigre BrancoDireção: Karen Shakhnazarov (2012). Shakhnazarov mescla filosofia e mistério nesta batalha entre o tanquista Naydenov e um "tanque fantasma" alemão, nos dias finais da Segunda Guerra Mundial. Recebeu indicação para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

9 de setembro (quarta-feira):
O Velho e o Novo
Direção: Sergei Eisenstein (1929). O mais aclamado dos cineastas soviéticos toma como pano de fundo a coletivização da agricultura para contar como a chegada de uma desnatadeira e um trator podem modificar antigos e tradicionais padrões de pensamento.

10 de setembro (quinta-feira):
Lenin em OutubroDireção: Mikhail Romm (1938). Dez anos depois do "Outubro", de Eisenstein, onde o protagonista são as massas trabalhadoras, Romm aceita o desafio de individualizar e dar vida à figura de Lenin.

11 de setembro (sexta-feira):
Às Seis da Tarde Depois da Guerra
Direção: Ivan Pyriev (1944). Musical sobre a saga de dois amantes que, separados pela guerra, prometem reencontrar-se no Dia da Vitória. De 1929 a 1969, Pyriev dirigiu 18 filmes, entre os quais "Cartão do Partido" (1936), "Tratoristas" (1939), "Cossacos de Kuban" (1949).

12 de setembro (sábado)Primavera
Direção: Griori Aleksandrov (1947). Quinta comédia musical estrelada por Liubov Orlova sob a direção de Aleksandrov, cineasta que assina com Eisenstein os roteiros de "A Greve" (1925), "Outubro" (1928), "Linha Geral" (1929), "Que Viva México" (1932). A história se passa nos primeiros anos da reconstrução da URSS, após a 2a. Guerra Mundial.

13 de setembro (domingo)O Retorno de Vasili BortnikovDireção: Vselvolod Pudovkin (1952). Dado como desaparecido na guerra, Vasili Bortnikov regressa ao lar e encontra a mulher casada com outro. Último filme do lendário diretor dos clássicos "Mãe" (1926) e "Tempestade Sobre a Ásia" (1928).

15 de setembro (terça-feira)O Fascismo de Todos os DiasDireção: Mikhail Romm (1965). Narrado pelo próprio diretor, que pôs a alma nesse projeto repleto de inovações formais, "Fascismo de Todos os Dias" é, ainda hoje, considerado por muitos como o mais profundo, completo e impactante documentário produzido sobre o tema.

16 de setembro (quarta-feira)A MãeDireção: Gleb Panfilov (1989). Egresso do VGIK, onde também se formaram Klimov, Tarkovsky, Chukhrai e outros expoentes da sua geração, Panfilov realiza, após Pudovkin (1926), Leonid Liukov (1941) e Mark Donskói (1956), a quarta filmagem do célebre romance de Maxim Gorki.

17 de setembro (quinta -feira):
Tigre Branco
 
 

Fãs fazem fila para comprar ingressos para show do Maroon 5

Fila na avenida dos Andradas, no Centro de Porto Alegre, se estendeu até a rua da Ladeira | Foto: Samuel Maciel
 
Começou por volta das 10h desta segunda-feira a venda de ingressos para o show da banda Maroon 5, que será no dia 9 de março de 2016, a partir das 21h30min, no estacionamento da Fiergs (Assis Brasil, 8787). A fila na avenida dos Andradas, no Centro de Porto Alegre, se estendeu até a rua da Ladeira. A venda pela internet teve início à meia-noite e, segundo a Tickets Fon Fun, responsável pela comercialização no Brasil, já acabou para os show na Capital.

Jeniffer Valer, de 17 anos, foi com mais três amigas, Claudine Cândido, 17 anos, Andressa Friedrich, 20 anos, e Carolina Ávila, 18, comprar ingressos. Todas conseguiram entradas, inclusive para amigos, já que o limite de venda era de seis convites. O grupo chegou por volta das 8h e às 11h já tinha garantido as entradas. O tempo até o show é longo, por isso elas pretendem ouvir os discos incessantemente até a data.

A banda comandada por Adam Levine vai realizar uma turnê pelo país, passando por outras cidades como Bahia, Belo Horizonte, Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo, mostrando aos fãs brasileiros o seu álbum mais recente, "V". O repertório, no entanto, deve incluir todos os grandes sucessos da carreira, passando por "She Will Be Loved" e "Moves Like Jagger", por exemplo, até chegar ao fenômeno atual "Sugar".

Confira os valores
Pista Premium: R$ 240 (meia) e R$ 480,00 (inteira)
Pista - 1º lote: R$ 120 (meia) e R$ 240 (inteira)
2º lote: R$ 140 (meia) e R$ 280 (inteira)
3º lote: R$ 160 (meia) e R$ 320 (inteira)  

Fonte: Bruna Cabrera / Correio do Povo

TJ dá ganho de causa à Prefeitura de Guaíba na Lei de regularização fundiária

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul julgou inconstitucional o artigo 58 da Lei Municipal 3.192/2014, que impõe ao Poder Executivo que os atos de regularização fundiária sejam submetidos ao Poder Legislativo.


A Procuradoria-geral ingressou no TJ com Ação Direta de Inconstitucionalidade, alegando que ato da Câmara de Vereadores foi uma intromissão nos Poderes. Para a desembargadora relatora da ADIN, Denise Oliveira Cezar, “ O Poder Legislativo ingressou na esfera do Poder Executivo, o qual possui legitimidade para dispor sobre a matéria que é nitidamente administrativa”. Sentenciou.

A decisão pela inconstitucionalidade do artigo foi acompanhada por todos os desembargadores do Pleno. “ A unanimidade dos magistrados demonstra que estávamos certos em questionar a atitude da Câmara. Agora o Executivo pode tocar os projetos de regularização fundiária, sem qualquer intromissão”, declarou a procuradora-geral, Tânia Grigorieff.

Para o prefeito a decisão da justiça também é importante para dar agilidade ao processo. “Temos muitas áreas que precisam ser regularizadas e estamos trabalhando muito nessa área.”, disse Henrique Tavares. 



Sábado tem Sarau no Museu Calos Nobre em Guaíba!!!

Dia 05/09
Às 19h30min
Entrada Franca
(Inscrições por ordem de chegada)
Realização: Denise Rosa
Arte: Maris Strege

PMs aderem à paralisação dos servidores da Segurança

PMs aderem à paralisação dos servidores da Segurança | Foto: Paulo Nunes 
 
A paralisação iniciada nesta segunda-feira na área da Segurança Pública em protesto contra o parcelamento dos vencimentos, cujo primeiro pagamento foi de apenas R$ 600, deve ser reforçada com a mobilização dos policiais militares. As entidades de classe da Brigada Militar (BM) definiram pelo início do aquartelamento a partir desta terça-feira em todas as unidades da BM. De acordo com o presidente da ABAMF, Leonel Lucas, as viaturas da BM sairão para as ruas apenas para o atendimento exclusivo de urgências e emergências, retornando logo em seguida para os quartéis.

Familiares e inativos devem montar piquetes nas frentes das unidades. Alguns quartéis no interior, constatou o dirigente, já se aquartelaram ontem mesmo. Viaturas com problemas, sobretudo de documentação, devem ficar baixadas. Por sua vez, o coordenador adjunto da Abergs, Florisbelo Dutra, destacou a realização também de operação padrão pelos bombeiros. “O que é de responsabilidade do servidor será feito, mas será um feijão com arroz”, declarou, explicando que o “jeitinho” dado normalmente não será realizado desta vez.

Os agentes penitenciários também cruzaram os braços estão mantendo apenas os serviços essenciais, como alimentação e atendimento de casos de urgência dos apenados dentro das casas prisionais. O transporte de apenados para audiência judiciais ou entre presídios foi suspenso. “A categoria está revoltada e indignada. Não é descartada a possibilidade de promover 100% de greve com os agentes penitenciários abandonando os presídios”, advertiu o presidente da Amapergs Sindicato, Flávio Berneira.

Já na Polícia Civil, o movimento começou forte com a paralisação da categoria em todo o Estado. A Ugeirm Sindicato montou um acampamento na frente do Palácio da Polícia, em Porto Alegre. O presidente da entidade, Isaac Ortiz, constatou uma adesão maciça dos policiais civis. “A indignação é muito grande”, avaliou, observando que os casos graves permanecem sendo atendidos apesar da greve. Nenhuma viatura circula fora das exceções e investigações e operações estão paradas. “Não aceitamos o parcelamento”, acrescentou, lembrando que “a segurança pública vive o caos neste governo” por falta de efetivo, corte de horas extras e outras medidas decorrentes do contingenciamento. “Não se ouve o governo falar em combater a sonegação de impostos e revisar as isenções fiscais”, afirmou Isaac Ortiz, citando ainda a falta de investimentos e discussão da dívida. “O governo não move uma palha para resolver”, disse.

Já a presidente do Sinpol, Ilorita Cansan, confirmou que os policiais civis mantém apenas os 30% exigidos por lei. Ela reclamou que a notificação encaminhada por meio da Justiça para o governo do Estado, relativa à liminar concedida ainda em 2007 pelo STF que proíbe atraso ou parcelamento dos vencimentos, não chegou até o Palácio Piratini. “Está parada no meio do caminho”, protestou. A dirigente considerou a situação como “muito grave”.  

População gaúcha é orientada a se proteger "como puder"

Aquartelamento já começou em algumas cidades | Foto: Abamf / Divulgação / CP
 
Como ocorreu há um mês, dirigentes de associações que representam servidores da Brigada Militar e do Corpo de Bombeiros estiveram reunidos nesta segunda e decidiram pelo aquartelamento a partir desta terça-feira. Mais uma vez a população é orientada a se proteger "como puder".

De acordo com nota conjunta divulgada no final da manhã, as entidades que representam os servidores informaram que soldados, sargentos e tenentes não têm condições psicológicas de realizar as atividades de policiamento ostensivo e de prevenção de incêndio em função do não pagamento integral dos salários pelo Estado.

O documento - assinado por diversas associações - termina com a frase: "Não podemos receber ordens de quem não cumpre a lei e comete crime de desobediência".

O aquartelamento já ocorreu nesta segunda-feira em diversos municípios gaúchos, como Cachoeira do Sul, Charqueadas, Ivoti, Pelotas, Rio Grande, Santa Maria e Santana do Livramento. 
 

 


 


Serviço público inicia paralisação de quatro dias

Serviço público inicia paralisação de quatro dias | Foto: Bruna Cabrera / Especial / CP

Após movimentação dos servidores estaduais no final de semana por causa dos extratos bancários que indicam pagamento de R$ 600 referentes ao vencimento de agosto, a segunda-feira deve começar com greve nos serviços públicos. As categorias prometem paralisações até quinta-feira. Escolas devem fechar e delegacias trabalham com restrições a partir de hoje. O governo fará uma coletiva nesta segunda para esclarecer a forma de quitação do restante do salário.

O Cpers/Sindicato já havia anunciado que, independentemente da forma de pagamento, entraria em greve. A presidente da entidade, Helenir Aguiar Schürer, alertou que, além da previsão de repasse reduzido de salário, o extrato dos servidores têm a indicação de descontos de créditos concedidos pelo Banrisul. “Nada disso estaria acontecendo se o governo aceitasse a oferta da oposição na Assembleia Legislativa e do Judiciário (através do aumento dos saques dos depósitos judiciais)”, disse.

O presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos no RS, Sérgio Arnoud, defende a mesma posição. “É possível pagar em dia. Basta usar emergencialmente os depósitos judiciais, mas o governador quer acabar com o serviço público. É provocação”. Segundo Arnoud, trata-se de uma afronta. “Com esse valor, uma família de quatro pessoas não consegue fazer nem as compras do supermercado”.

O presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Brigada Militar (Abamf), Leonel Lucas, confirmou no seu extrato o pagamento de R$ 600 hoje. “Mas o governo não depositou o valor referente às pensões alimentícias”, diz. Os policiais militares irão realizar o aquartelamento a partir desta terça e integrar as ações de outras 40 categorias.

Para o vice-presidente da Ugeirm Sindicato, que representa os escrivães, inspetores e investigadores da Polícia Civil, Fábio Castro, além da questão salarial, a mobilização da categoria é pela rejeição de projetos encaminhados à Assembleia, incluindo o aumento de impostos. A orientação, a partir de hoje, é reunião dos policiais em frente às DPPAs e atendimento somente de crimes contra a vida.

Nota da Urgeirm
De acordo com uma nota publicada pelo Urgeirm Sindicato, todas as ocorrências passíveis de registro pela delegacia on-line não serão mais registradas nas Delegacias de Polícia, tais como a perda de documento, acidente de trânsito sem vítima, furto simples, crimes contra honra, maus tratos contra animais e perturbação da tranquilidade, até a integralização do subsídio. Serão registradas apenas as ocorrências policiais graves, a critério do Delegado de Polícia, como, homicídios, roubos, estupros, crimes envolvendo crianças e adolescentes, violência doméstica e familiar; quanto aos autos de prisão em flagrante, deverão ser lavrados normalmente.

Ainda conforme a nota do sindicato da Polícia Civil, não serão realizadas ações e operações policiais até a data da integralização do subsídio referente ao mês de agosto. Não serão remetidos inquéritos policiais, termos circunstanciados e procedimentos para adolescentes infratores, exceto autos de prisão em flagrante, autos de apreensão em flagrante e inquéritos policiais envolvendo investigados presos, até a integralização do subsídio. Não haverá circulação de viaturas e as operações e investigações serão suspensas.

Confira os serviços que serão afetados


Escolas:
O Cpers orienta os professores a não abrirem as escolas estaduais de hoje até quinta-feira.

Bancários: O Sindicato dos Bancários ingressa hoje com medida cautelar na Justiça para fechar as agências bancárias, dependendo das decisões tomadas pelos sindicatos representantes dos funcionários da Brigada Militar. Se a medida for acatada pela Justiça, os bancos não devem abrir na terça-feira ou enquanto durar o aquartelamento.

Transporte:
Os ônibus funcionam normalmente em Porto Alegre. No entanto, o Sindicato dos Rodoviários disse que vai monitorar e, no caso de atos de violência contra o transporte coletivo, poderá tomar alguma medida.

Brigada Militar: A partir de amanhã tem aquartelamento dos policiais militares, uma decisão apoiada pelas associações dos soldados, sargentos, subtenentes e tenentes, oficiais e bombeiros. Dependendo do posicionamento do governo, o aquartelamento pode se estender até quinta-feira. Já a Associação dos Policiais Militares (APM) diz que não compactua com atos isolados e solicita mais diálogo com o governo para achar alternativa.

Polícia Civil:
A partir de hoje, serão registradas apenas ocorrências graves, a critério de cada delegado. As outras devem ser registradas pela delegacia on-line. Segundo a Associação dos Delegados de Polícia (Asdep), não serão realizadas operações policiais até a data da integralização do subsídio referente a agosto.

Comércio: A orientação do Sindilojas para os empresários é que abram suas lojas normalmente, tendo em vista os prejuízos das últimas semanas. “Dos dias 18 a 21 de agosto, nossas vendas caíram 25%”, afirma o presidente Paulo Kruse.





domingo, 30 de agosto de 2015

O C.T.G cruzeiro do sul no bairro Colina, em Guaíba, pede sua ajuda! Na madrugada houve um incêndio que danificou o prédio

Foto: Melissa Araujo / Reprodução Facebook

Expointer recebe mais de 120 mil pessoas no primeiro final de semana

Primeiro final de semana da 38ª Expointer atraiu 121.347 pessoas ao Parque Assis Brasil | Foto: Daniela Barcellos/ Palácio Piratini/ CP
 
O público presente no primeiro final de semana da 38ª Expointer chegou a 121.347 pessoas. O balanço, com informações até as 18h30min deste domingo, foi divulgado pelo secretário da Agricultura e Pecuária, Ernani Polo. A comercialização de animais chega a R$ 6.187.700,00, puxada pelos leilões de cavalos crioulos, que ocorrem desde quarta-feira no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. O animal mais caro comercializado neste final de semana foi a fêmea Hulha Negra da Vendramin, vendida a R$ 525 mil no leilão da Estância Vendramin, de Palmeira (PR).

A agricultura familiar aumentou suas vendas em 37,5% em comparação com 2014. Somente no sábado foram comercializados R$ 185.600,00 em produtos. No Pavilhão do Artesanato, as vendas somaram R$ 97.331,00 no sábado, totalizando 2.741 peças vendidas.
 
 

Agosto termina com calor no Rio Grande do Sul

Termômetros devem alcançar os 32ºC em Porto Alegre nesta segunda-feira | Foto: Paulo Nunes / CP Memória
 
O sol predomina no Rio Grande do Sul nesta segunda-feira, mas, diferentemente do domingo, que teve amplos períodos de céu claro, a nebulosidade começará a aumentar com o avanço de uma frente fria a partir do Sul. No fim da tarde e à noite pode ter chuva localizada na Metade Sul e bem mais isolada no Centro do Estado.

O quadro pré-frontal traz um dia muito quente no território gaúcho. A mínina em Porto Alegre é de 15ºC e a máxima de 32ºC. Em Uruguaiana, na fronteira Oeste, a mínima fica em 18ºC e a máxima em 30ºC.  Na próxima madrugada e durante a terça-feira a frente fria se intensifica e avança para Norte, trazendo chuva para cidades do Centro e do Norte do Estado. Temporais isolados podem acompanhar a chegada do frio.   


Fonte: Metsul

PRF prende motorista dirigindo carro sem pneu em Esteio

PRF prende motorista dirigindo carro sem pneu em Esteio | Foto: PRF / Divulgação / CP
 
Policiais rodoviários federais prenderam na tarde deste domingo um motorista que diriga um GM/chevette sem um dos pneus traseiros. O condutor foi abordado em frente ao Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. O homem disse aos policiais que estava procurando uma borracharia.

Após ser submetido ao teste de etilômetro, o mesmo foi detido por estar sob influência de álcool: 0.76 mg/l. O motorista foi encaminhado à Delegacia de Polícia e o carro apreendido por não ter condições de rodar.  


Vendas da agricultura familiar crescem 37,5% no primeiro dia da Expointer

Vendas da agricultura familiar crescem 37,5% no primeiro dia da Expointer | Foto: Daniela Barcellos/ Palácio Piratini / Divulgação / CP 
 
A movimentação intensa nos corredores da Feira da Agricultura Familiar na Expointer foram um prenúncio do volume de vendas. Conforme levantamento feito pela Secretaria de Desenvolvimento Rural e Cooperativismo (SDR) e pela sua conveniada Emater-Ascar/RS, no sábado foram comercializados R$ 186,5 mil, valor que representa crescimento de 37,5% em relação às vendas realizadas no primeiro dia da feira em 2014, quando foram negociados R$ 135 mil.

“Esse aumento mostra que a população está cada vez mais interessada em consumir produtos de qualidade, e os nossos agricultores familiares têm essa capacidade de transformar sua produção e expandir as oportunidades no campo”, disse o secretário da SDR, Tarcisio Minetto.

O movimento continuou intenso na feira neste domingo, com corredores lotados durante todo o dia. Os dados sobre vendas de domingo serão conhecidos na manhã de segunda-feira.
 
 
Fonte: Correio do Povo

Policiais militares prometem ampliar aquartelamento nesta semana

A partir da próxima terça-feira, entidades que representam policiais militares do Rio Grande do Sul planejam protesto maior do que o realizado no dia 3 de agosto, quando ocorreu o primeiro parcelamento dos salários pelo governo José Ivo Sartori. Em vez de acompanhar as demais categorias — que já confirmaram que vão parar a partir desta segunda-feira —, dirigentes dos brigadianos irão aguardar o pronunciamento do governador para então definir os rumos da paralisação.

Com a previsão da primeira parcela de R$ 600, o presidente da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho (Abamf), que representa cabos e soldados, Leonel Lucas, antecipa que a orientação será por deixar quarteis e batalhões somente para atender ocorrências graves. “Vamos aquartelar. Até porque com o que o governo está fazendo conosco, psicologicamente, não tem como o brigadiano trabalhar mais. Vamos reunir todas as lideranças das entidades da Brigada Miilitar (BM) e depois fazer uma carta à população e à imprensa. Desta vez, acho que vai ser bem maior, porque muita gente não recebeu nada”, afirma.

Os servidores confirmaram que o Banrisul, banco estatal gaúcho, já retirou débitos automáticos das contas e não adiou nenhuma data de pagamento. Como, por lei, os policiais militares não podem fazer greve, a falta de estrutura para manter o policiamento ordinário deve voltar a ser argumento para o aquartelamento. No mês passado, associações de familiares dos brigadianos foram responsáveis por bloqueios que impediram a saída de viaturas de batalhões.

Polícia Civil



Os agentes da Polícia Civil anunciam que vão reduzir os trabalhos nas delegacias já a partir da meia-noite desta segunda-feira, e manter apenas atendimento a casos graves até quinta-feira. O presidente do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores da Polícia Civil (Ugeirm), Isaac Ortiz, ressalta que as manifestações não contestam somente o parcelamento dos salários, mas também a redução de investimentos na segurança desde o início do ano. “Não só contente em desmontar tudo aquilo que já estava construído, o governador agora atinge diretamente os policiais e seus familiares, cortando brutalmente os salários. E essa crise é seletiva, porque só atinge parte do Executivo, principalmente Educação, Segurança e Saúde”, declara.

Em Cruz Alta, no Norte do Estado, brigadianos, policiais civis e professores preparam um protesto em frente à Câmara Municipal, ao final da tarde desta segunda, para cobrar posicionamento dos parlamentares sobre os decretos do Estado que reduziram verbas para os setores. O sargento João Paulo Baraldo destaca que, em muitas cidades da região, há apenas um PM trabalhando no turno do dia e no máximo dois no período noturno. Por isso, eles também cobram a nomeação de 2 mil já aprovados em concursos.

Os policiais manifestam preocupação, ainda, em relação àqueles que têm pensões alimentícias a pagar e podem ser presos por descumprimento de medida judicial devido ao parcelamento dos salários. A Secretaria da Fazenda garante que os pagamentos de pensões ocorrerão da mesma forma do mês passado, com depósito separado de uma parcela de até R$ 600 na conta do responsável pela criança ou adolescente. O mesmo vai ocorrer para viúvas, ex-governadores, o atual governador, cargos em comissão e secretários do governo — exceto aqueles que recebem como deputados através da Assembleia Legislativa e do Congresso, ou são afastados de outros cargos do serviço público.


Fonte: Bibiana Borba / Rádio Guaíba

Ufrgs distribui senhas para show de Luiz Melodia a partir desta segunda

Samba e suingue marcam espetáculo que Luiz Melodia traz à Capital | Foto: Daryan Dornelles / Divulgação / CP
 
A Ufrgs inicia nesta segunda-feira a distribuição de senhas para um show de Luiz Melodia, que realiza o quinto concerto da série "Irreverentes" do projeto Unimúsica na quinta-feira, às 20h, no Salão de Atos da universidade (Paulo Gama, 110). As entradas serão entregues mediante a doação de 1kg de alimento não-perecível, que pode ser feita diretamente no mezanino do espaço, das 9h às 18h, até quarta-feira. Quem adquirir os bilhetes pelo site deve fazer a troca no dia do show.

Considerado o “poeta travesso” da canção brasileira, o autor de clássicos como “Pérola Negra” e “Estácio Holly Estácio”, traz ao Unimúsica o espetáculo “Zerima”, seu mais recente trabalho – feito depois de treze anos sem gravar um disco de canções inéditas e que revela o retorno da musicalidade de Luiz Melodia para o samba. No repertório, estão composições próprias e também de outros artistas, que ganharam uma roupagem especial com o suingue habitual do artista.  


Morre a jornalista Mary Mezzari

Mary trabalhou nas principais emissoras de rádio e redações do RS | Foto: Facebook / Divulgação / CP 
 
Morreu neste sábado a jornalista Mary Mezzari, profissional de destaque da imprensa e cultura gaúcha. A radialista, que emprestou sua voz a rádios como Ipanema, onde iniciou sua carreira como locutora e atuou durante décadas, Guaíba, Gaúcha e FM Cultura, sofreu um ataque cardíaco fulminante.

No início da tarde, muitos colegas que compartilharam anos de redação ao lado de Mary, lamentavam a morte repentina da jornalista. O velório será ainda neste sábado, às 18h, no cemitério Jardim da Paz.   


Salários de servidores deverão ser parcelados em quatro vezes

Servidores deverão ter os salários parcelados em quatro vezes | Foto: Reprodução
 
Embora o governo do Estado ainda não tenha confirmado como será feito o pagamento do funcionalismo público relativo ao mês de agosto, a reportagem do Correio do Povo teve acesso a documentos que indicam que os salários serão pagos em quatro parcelas.

A primeira deverá ser efetuada já na próxima segunda-feira. Extratos bancários divulgados por alguns servidores indicam que os funcionários públicos receberão na segunda-feira apenas R$ 600. As demais parcelas deverão ser pagas nos dias 10, 15 e 22 de setembro. Uma greve de quatro dias já foi aprovada e começará nesta segunda-feira caso o parcelamento seja confirmado.

Na segunda-feira, o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, deve conceder coletiva às 11h. Em sua manifestação, Feltes deve expor alguns cenários que possibilitariam a antecipação de parcelas ou que podem complicar o cenário, como o bloqueio das contas do governo pela União, em função do não pagamento da parcela deste mês, de cerca de R$ 280 milhões. O governador José Ivo Sartori deve fazer pronunciamento no Palácio Piratini antes da fala do secretário.  


Cocaína é encontrada em 86% das cédulas

Cocaína é encontrada em 86% das cédulas | Foto: Mauro Schaefer
 
Você pode dizer que nunca teve contato com cocaína durante a vida. Mas é provável que, ao ler esta matéria, tenha dúvidas sobre essa constatação. Uma pesquisa realizada na Universidade Federal Fluminense (UFF) revelou que 86% das cédulas da moeda brasileira analisadas apresentaram vestígios de cocaína. As notas usadas como amostragem circulavam pelo estado do Rio de Janeiro, mas não se exclui a possibilidade de o dinheiro no Rio Grande do Sul também estar “contaminado”.

Uma das constatações da pesquisa é que a cocaína é largamente distribuída na sociedade – 1,4 tonelada da droga foi apreendida no RS de 2010 a 2014. O segundo ponto evidencia o comportamento dos usuários de drogas, que criaram o hábito de enrolar as notas de real para aspirar o entorpecente. Mário Souza, titular da 1ª Delegacia de Investigações do Narcotráfico (DIN) do Denarc, diz que o comportamento dos usuários se assemelha em todos os lugares do mundo, o que indica que as cédulas de várias regiões podem ter traços de drogas. “Em geral, o usuário tem a mesma conduta. Se faz canudinho com dinheiro no Rio de Janeiro, aqui no Rio Grande do Sul também.”

Para o delegado, o fato de haver uma grande circulação de dinheiro em espécie no tráfico facilita a transmissão da sujeira entre as notas. O químico da UFF Ricardo Cassella, que orientou a tese de doutorado da pesquisadora Vanessa Gomes Kelly Almeida, diz que o estudo é preliminar e prefere não afirmar que o fenômeno ocorre em outras partes do país. O delegado Souza alerta que também é comum, nas apreensões de dinheiro de traficantes, haver cheiro de crack nas notas que são manuseadas no crime. As cédulas de valor maior são usadas no meio onde se consome cocaína, enquanto que as de menos valor são usuais entre craqueiros.

Segundo a pesquisa, a maior concentração de microgramas de cocaína é percebida nas notas de R$ 2,00, R$ 5,00, R$ 10,00 e R$ 20,00. A média é de 50 a 300 microgramas por nota. Três cédulas, no entanto, continham 3.435 microgramas, porque foram apreendidas pela Polícia Civil em contato direto com a droga.

Dinheiro recebe camada protetora

De acordo com o Banco Central do Brasil, em 2014, 815 milhões de cédulas de reais foram tiradas de circulação no Brasil, por diferentes motivos. As despesas públicas com a fabricação de novas notas não foram informadas. O Banco Central é a instituição responsável por manter o dinheiro em circulação em boas condições de uso. Por ser praticamente imperceptível, a cédula impregnada de droga acaba não sendo rejeitada se não apresentar outras condições precárias, como manchas, sujeira pesada, rabiscos, símbolos, desenhos ou quaisquer caracteres estranhos; cortes ou rasgos em suas bordas ou interior; queimadas ou danificadas por ação de líquidos, agentes químicos ou explosivos.

Em função do grau de dano apresentado, o dinheiro pode ter valor ou não. Os bancos, ao receberem dos clientes as cédulas desgastadas ou danificadas, devem encaminhá-las ao Banco Central para destruição. Desde 2013, as novas cédulas de R$ 2,00 e de R$ 5,00, que são as que mais circulam, passaram a receber uma camada protetora para dificultar a absorção da sujeira e aumentar a vida útil. Cada nota recebe uma camada de verniz, nos dois lados.

O Banco Central explica que a proteção é transparente, imperceptível ao tato e não interfere no aspecto visual da cédula nem na verificação dos elementos de segurança.

No entanto, ainda não foi avaliado o resultado das aplicações desse verniz, o que deve ocorrer apenas em 2016, segundo informa o Banco Central. Na experiência de outros países o aumento da vida útil das cédulas foi de 20% a 50%.
 
 
Fonte: Cintia Marchi / Correio do Povo

Lâmpadas antigas têm fim

Lâmpadas antigas têm fim | Foto: Eduardo Muniz / Divulgação / CP
 
Invenção de Thomas Edison nos anos 1870, a lâmpada incandescente está com seus dias de brilho contados no Brasil. Depois de 30 de junho de 2017 deixará de ser vendida. Até lá, a comercialização está autorizada, mediante obediência a uma escala decrescente de potência. Por exemplo, desde 30 de junho, só podem ser vendidas lâmpadas incandescentes de até 40 W. A partir de 30 de junho de 2016, a potência cai para até 25 W. O fim resulta das metas mínimas de eficiência fixadas pela portaria interministerial 1007/2010.

Nos últimos anos, o mercado passou a usar lâmpadas fluorescentes, criadas pelo físico Nikola Tesla, no começo do século passado. Hoje, elas são compactas e sua principal vantagem sobre as incandescentes é a maior capacidade de iluminação com menor consumo de energia, explica o presidente da Apliquim Brasil Recicle, engenheiro eletricista Mario Sebben. O problema é o descarte: a fluorescente contém mercúrio, agente tóxico, cancerígeno, biocumulativo e mutagênico, define Sebben.

Quem substituir dez lâmpadas incandescentes de 60 W em sua moradia, por fluorescentes, gastará, na média, R$ 80,00 na compra. Economizará, porém, R$ 4,85 por lâmpada ao mês, ou R$ 582,00 por ano em sua conta de luz, explica o engenheiro. Uma lâmpada incandescente (60 W) consome R$ 0,23 por cinco horas de uso, enquanto a fluorescente gasta R$ 0,07.

Ao Brasil, com suas 60 milhões de residências (na média cada uma tem dez lâmpadas incandescentes), o benefício é expressivo: “Essas 600 milhões de lâmpadas consomem 36 GW. É a energia de duas usinas Itaipu. Quando todas forem fluorescentes, haverá economia de 70% na potência”, projeta Sebben.

Segundo o coordenador do Programa de Eficiência Energética da CEEE-D, Francisco Evaristo Gomes, a iluminação representa entre 15 e 20% do consumo de energia elétrica de uma residência. O mais comum, atualmente, é a substituição de lâmpadas incandescentes por fluorescentes compactas, que consomem, em média, quatro vezes menos e duram oito vezes mais. Gomes prevê, nos próximos anos, queda nos preços das lâmpadas de LED (Light Emitting Diode). Quando isso acontecer, assumirão papel cada vez maior nas preferências. São mais duráveis e eficientes, em relação às fluorescentes. Com a mudança, todo o sistema ganha. “A novas lâmpadas geram menos calor e mais luz.”

Porto Alegre ganhará postos de coleta

Termo de cooperação operacional implantará projeto piloto em Porto Alegre, por 90 dias, para o recolhimento de lâmpadas fluorescentes. Foram signatários a Associação Gaúcha dos Supermercados (Agas), o Ministério Público Estadual (MPE/RS) e o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU). A assinatura ocorreu na última semana, durante a 34º Expoagas, na Fiergs. “É uma proposta de educação para criar a cultura do cuidado no descarte das fluorescentes”, afirma a coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Consumidor, do MPR/RS, Caroline Vaz.

Supermercados informarão consumidores sobre os postos de coleta do DMLU. Cada consumidor poderá deixar até cinco lâmpadas no local, adianta Caroline. O projeto será examinado e aperfeiçoado nos três meses. Poderá até ser estendido a outros municípios, o que colocaria o Rio Grande do Sul na vanguarda do tema no Brasil. Duas empresas farão o recolhimento do descarte das fluorescentes na Capital: a Apliquim Brasil Recicle e a Recilux.

O projeto será o começo da implantação da “logística reversa”, criada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (lei 12.305/10): a cadeia do setor (fabricantes, importadores, comércio e consumidores) é responsável tanto pelo retorno das lâmpadas como por seu encaminhamento à descontaminação. É crime ambiental jogar fluorescentes no meio ambiente. A lei trouxe o acordo setorial (cadeia de entidades envolvidas) e a responsabilidade compartilhada. Mas falta ainda decreto normativo de regulamentação do descarte das fluorescentes.

Quando o decreto for editado pela presidente Dilma, estados e municípios terão a regra final, acredita o coordenador da Assessoria Técnica da Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Valtemir Goldmeyer. Enquanto isso, a logística reversa é parcial. Só funciona bem o descarte de algumas grandes empresas. No cotidiano dos cidadãos ela inexiste. Lâmpadas são lançadas no lixo comum, junto a vidros e garrafas, e “no comércio poucos recebem o descarte”, observa Goldmeyer. A última etapa é a criação da entidade gestora, responsável por custos, recolhimento, transporte e armazenamento.

Capital e região eliminam 600 mil unidades ao ano


Porto Alegre e Região Metropolitana consomem 4 milhões de lâmpadas fluorescentes e descartam 600 mil por ano, calcula o presidente da Apliquim Brasil Recicle, Mario Sebben. Uma lâmpada tubular contamina com mercúrio, por exemplo, 15 mil litros de água potável. Para onde vão essas lâmpadas vencidas? “A grande maioria está por aí, em aterros”, diz. Entre as grandes empresas, 5% fazem o descarte correto; entre as médias, 60% o ignoram; e nas pequenas a quase totalidade se livra das fluorescentes no lixo comum.

Promover o descarte correto não é apenas recolher a lâmpada. Em uma lâmpada, 10% do mercúrio está sob a forma de vapor. A descontaminação exige ambiente hermético sob pressão (vácuo) para a retirada do vapor. Os demais 90% ficam retidos no pó branco da lâmpada. Na reciclagem completa, o vidro é quebrado. O pó é removido, aspirado e filtrado. Após essas etapas, o mercúrio extraído é destilado a 357º — vaporiza-se para ser resfriado. Quando se torna líquido, o metal é purificado e vendido às fábricas de lâmpadas.

A Apliquim, diz Sebben, faz todo o processo. “Reciclamos 94% e sobram 6% de pó descontaminado, sem riscos ao aterro. Somos os únicos no país.” Muitas empresas recolhem as lâmpadas, moem o vidro e as remetem para aterro sem extrair o mercúrio.
 
 
Fonte: Heron Vidal / Correio do Povo

sábado, 29 de agosto de 2015

Sartori declara aberta Expointer em Esteio

Governador do Estado abriu na manhã deste sábado a 38ª Expointer | Foto: André Ávila
 
O governador do Estado, José Ivo Sartori, abriu na manhã deste sábado a 38ª Expointer no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Como ocorre tradicionalmente, ele realizou o corte da fita na praça em frente ao Pavilhão Internacional.

O secretário da Agricultura, Ernani Polo, acredita que, se as condições climáticas forem favoráveis, o público poderá ser de até 450 mil visitantes.  Considerando-se o momento econômico do país, as projeções de volume de negócios são cautelosas. No caso das máquinas, os expositores admitem queda de 20% em relação à Expointer do ano passado, quando as vendas chegaram a R$ 2,713 bilhões. Mas, levando em conta o bom momento da pecuária, a comercialização de animais deve se manter nos mesmos patamares de 2014, quando representou R$ 12,419 milhões.

Primeiras vendas

Os 239 expositores da 17ª Feira da Agricultura Familiar cuidavam na tarde desta sexta-feira dos últimos retoques nos estandes na Expointer. Ao mesmo tempo em que distribuíam os produtos no balcão, atendiam alguns visitantes que já circulavam pelo parque Assis Brasil. Fabiano Jeziorsk, da Saci Agroindústria, de Crissiumal, rodou mais de 480 quilômetros para expôr seus produtos. E valeu a pena, pois antes mesmo de a feira iniciar oficialmente já contabilizava vendas.

Há mais de dez anos ele participa da feira comercializando salame, copa e charque. Para esta edição, ele tem boas expectativas de negócios, pois foi contemplado com uma localização estratégica no pavilhão. Seu estande é bem em frente à porta de entrada. O presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, destaca que o pavilhão permite a venda direta do produtor ao consumidor.  


Lotérica no Rua da Praia Shopping é assaltada em Porto Alegre

Um homem armado assaltou a lotérica Shopping da Sorte Loterias, localizada no Rua da Praia Shopping, em Porto Alegre. Ele invadiu o estabelecimento por volta das 11h45min. A quantia levada não foi divulgada e ninguém quis dar entrevista.

Segundo a assessoria do shopping, os seguranças seguiram o protocolo. Como eles não usam armas, acompanharam o que estava ocorrendo, ficaram próximos, isolaram o local e chamaram a Brigada Militar, que atendeu o caso em seguida, mas o criminoso já havia fugido.


Fonte: Karina Reif / Correio do Povo

Imagens dos documentos circulam pelas redes sociais

Apesar de o governo do Estado deixar o funcionalismo público em dúvida sobre a forma de pagamento da folha, extratos bancários indicam que servidores estaduais receberão na segunda-feira apenas R$ 600. Em alguns documentos a que a reportagem teve acesso, já é possível visualizar a previsão de depósito para agosto.

Policiais militares e demais trabalhadores do Estado começaram a divulgar imagens dos extratos nas redes sociais na madrugada deste sábado. A greve de quatro dias, aprovada caso houvesse parcelamento, deve começar na segunda feira, mas os ânimos das categorias já estão acirrados.

“É uma barbaridade e uma situação jamais imaginada por qualquer cidadão, muito menos pelos servidores”, declarou o presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos no Estado do Rio Grande do Sul (Fessergs), Sérgio Arnoud. Ele avalia que a paralisação ganhará ainda mais força, em razão da indignação das categorias.

“É uma afronta. As pessoas não terão como enfrentar seus compromissos e ainda terão os salários diminuídos, já que as contas serão pagas com juros. Com esse valor, uma família de quatro pessoas não consegue fazer nem as compras do supermercado", disse.

Para Arnoud, a decisão do governo foi deliberada e representa uma afronta. “É possível pagar em dia. Basta usar emergencialmente os depósitos judiciais, mas ele (governo) quer acabar com o serviço público. Trata-se de provocação", declarou o representante sindical.

Folha mobiliza governo

No mês passado, a linha de corte ficou em R$ 2.150 e o restante seria dividido em duas parcelas, nos dias 13 e 25. O governo acabou quitando os salários, no entanto, no dia 11. Na segunda-feira, dia de depósito dos salários, o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, deve conceder coletiva às 11h. Em sua manifestação, Feltes deve expor alguns cenários que possibilitariam a antecipação de parcelas ou que podem complicar o cenário, como o bloqueio das contas do governo pela União, em função do não pagamento da parcela deste mês, de cerca de R$ 280 milhões. O governador José Ivo Sartori deve fazer pronunciamento no Palácio Piratini antes da fala do secretário.






Fonte: Karina Reif / Correio do Povo

Sábado será ensolarado com tarde quente no RS

Em Porto Alegre, os termômetros variam entre 9°C e 31°C. | Foto: Paulo Nunes/ CP Memória
 
Há dez anos, em 29 de agosto de 2005, um tornado categoria F3 na escala Fujita com vento superior a 200 km/h arrasou o pequeno município de Muitos Capões, no Alto Uruguai. Neste sábado, contudo, o dia será lindo no Rio Grande do Sul, outra vez com o predomínio do sol e amplos períodos de céu claro.

O Estado está sob influência de ar muito seco e de alta pressão, o que trará grande amplitude térmica. De novo, a madrugada será fria e com chance de geada na Serra e Aparados. Com ingresso de ar quente, esquenta muito e a tarde terá calor com máximas elevadas.

As mínimas rondam os 4°C em São José dos Ausentes e os 5°C em Vacaria. As máximas, por sua vez, devem atingir 31°C em Santa Rosa e Santa Cruz do Sul. Em Porto Alegre, os termômetros variam entre 9°C e 31°C.

A madrugada dessa sexta-feira foi a mais fria do mês até agora em grande número de cidades, consequência muito mais da atmosfera seca do que pela intensidade da massa de ar frio. As mínimas ficaram abaixo de 5ºC em várias regiões, com marcas perto de 0ºC nas áreas de maior altitude do Nordeste do Estado.

Em Santa Catarina, houve mínimas negativas com -1,8ºC em Urupema. Houve geada tanto nas áreas de altitude do Rio Grande do Sul como de Santa Catarina, o que é má notícia pelos potenciais prejuízos para a fruticultura. A temperatura muito acima da média em julho e agosto, com só 25% do normal de horas de frio (horas com menos de 7ºC), fez com que as plantas entrassem em fase de floração e formação de frutos um mês antes do normal. Casos do pêssego, ameixa, uva e maçã.

Geada agora pode trazer danos. E vem mais frio. Esquenta neste fim de semana e segunda, porém massa de ar polar de maior intensidade ingressa terça e a primeira semana de setembro deve ter várias madrugadas frias com provável geada.  


Fonte: Metsul

Expointer abre os portões neste sábado esperando 450 mil visitantes

Bom momento da pecuária, a comercialização de animais deve se manter nos mesmos patamares de 2014, quando representou R$ 12,419 milhões | Foto: Alina Souza
 
Os portões do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, serão abertos neste sábado para a 38ª Expointer. Às 9h, haverá o tradicional corte da fita na praça em frente ao Pavilhão Internacional, com a presença do governador do Estado, José Ivo Sartori, secretários de governo e dirigentes de entidades. A programação contempla julgamentos, leilões, fóruns e oficinas diariamente até domingo, 6 de setembro. São esperadas 450 mil pessoas, entre produtores, empresários da indústria e visitantes em geral.

O secretário da Agricultura, Ernani Polo, acredita que, se as condições climáticas forem favoráveis, o público poderá ser de até 450 mil visitantes. Neste final de semana, o tempo deve se manter estável, com sol até segunda-feira. De terça-feira até sexta, há previsão de chuva. O sol deve voltar no fim de semana de encerramento da feira.

Considerando-se o momento econômico do país, as projeções de volume de negócios são cautelosas. No caso das máquinas, os expositores admitem queda de 20% em relação à Expointer do ano passado, quando as vendas chegaram a R$ 2,713 bilhões. Mas, levando em conta o bom momento da pecuária, a comercialização de animais deve se manter nos mesmos patamares de 2014, quando representou R$ 12,419 milhões.

Primeiras vendas


Os 239 expositores da 17ª Feira da Agricultura Familiar cuidavam na tarde desta sexta-feira dos últimos retoques nos estandes na Expointer. Ao mesmo tempo em que distribuíam os produtos no balcão, atendiam alguns visitantes que já circulavam pelo parque Assis Brasil. Fabiano Jeziorsk, da Saci Agroindústria, de Crissiumal, rodou mais de 480 quilômetros para expôr seus produtos. E valeu a pena, pois antes mesmo de a feira iniciar oficialmente já contabilizava vendas.

Há mais de dez anos ele participa da feira comercializando salame, copa e charque. Para esta edição, ele tem boas expectativas de negócios, pois foi contemplado com uma localização estratégica no pavilhão. Seu estande é bem em frente à porta de entrada. O presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, destaca que o pavilhão permite a venda direta do produtor ao consumidor.
 
 

Servidores do RS estão preparados para começar greve a partir de segunda

Servidores do RS estão preparados para começar greve a partir de segunda | Foto: Bruna Cabrera / Especial CP
 
O funcionalismo estadual está preparado para iniciar greve de quatro dias a partir de segunda-feira, caso o Executivo parcele novamente o salário das categorias. Mesmo assim, o governador José Ivo Sartori não deu previsão de como deve proceder e que contas vai priorizar no dia 31. Se atrasar o pagamento da dívida com a União, os repasses federais serão bloqueados. “Todo mundo conhece as dificuldades financeiras. Como pai de família e cidadão, não gostaria que tivesse chegado a isso”, afirmou nesta sexta.
 
A Procuradoria Geral do Estado (PGE) ingressou com Ação Cautelar no Supremo Tribunal Federal (STF), na quinta-feira, pedindo a nulidade da cláusula do contrato que determina o bloqueio das contas. O Cpers/ Sindicato já anunciou que, independente do pagamento integral, ou parcelamento de salários, irá paralisar por quatro dias em protesto aos projetos de ajuste fiscal encaminhados à Assembleia Legislativa.

Sobre isso, o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, avaliou que o problema do Rio Grande do Sul é local e não pode ser transferido para a União. “Eu sou gaúcho e nós do Rio Grande do Sul temos que ter consciência que a questão não se resolverá sem uma mudança de postura. A hora que tivermos um projeto que coloque o Rio Grande do Sul de pé, mesmo que seja num plano de 10 a 20 anos, teremos o apoio do governo federal.”

Ele declarou ainda que o governo regulamentará, no próximo ano, a disposição da renegociação das dívidas dos estados. “O governo federal também luta com necessidade de ajuste fiscal. Não vamos sonhar que teremos recursos extras.” Padilha ainda salientou que desconhece qualquer intenção do Palácio do Planalto de fazer um projeto para a volta da CPMF, imposto extinto em 2007.  


Fonte: Karina Reif / Correio do Povo

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Tarifa da bandeira vermelha na conta de luz cai 18%

Tarifa da bandeira vermelha na conta de luz cai 18% | Foto: André Ávila / CP Memória
 
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta sexta-feira a redução de 18% no valor da tarifa da bandeira vermelha, o indicador que engloba os usuários que pagam o custo mais alto de energia. Com a decisão, o valor adicional para cada 100 kWh consumidos cai de R$ 5,50 para R$ 4,50. Para os consumidores, o novo valor corresponderá a uma redução de dois pontos percentuais no custo da conta de luz. A mudança entra em vigor em 1º de setembro e vai até 31 de dezembro.

A decisão foi adotada em razão da redução no custo de produção de energia decorrente do desligamento de 21 termelétricas, com custo variável unitário maior que R$ 600 MWh, aprovada no início deste mês. Apesar do pedido das distribuidoras para que o valor seja mantido, devido ao aumento dos custos de geração, a diretoria da Aneel entendeu que o uso das bandeiras deve refletir o cenário de disponibilidade da geração e não os problemas de caixa das distribuidoras.

“Não podemos confundir o conceito do fundamento das bandeiras com o alívio de caixa. O valor arrecadado com as bandeiras deve cobrir o valor da geração termelétrica. Para outras razões de (alta de) custo existem outros mecanismos de compensação”, disse o diretor da Aneel Reive Barros dos Santos, relator do caso.

Para o diretor Tiago Correia, os consumidores responderam ao instrumento das bandeiras, reduzindo o consumo e fazendo investimentos, como a substituição de lâmpadas incandescentes pelas de led, o que justifica a redução do valor da bandeira.

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, ressaltou que a redução não representa melhora no quadro de geração de energia do país. “O cenário não é favorável à mudança da bandeira. Não é um cenário provável. Não estamos dando nenhuma sinalização de que o consumidor possa relaxar na sua prática de uso da energia. A sinalização ainda é de cuidado com o consumo e de uma situação adversa”, alertou Rufino.

O parque gerador de energia elétrica no Brasil é composto predominantemente por usinas hidrelétricas. Para funcionar, essas usinas dependem da chuva e do nível de água nos reservatórios. Quando há pouca água armazenada, usinas termelétricas precisam ser ligadas para não interromper o fornecimento de energia. Com isso, o custo de geração aumenta, pois essas usinas são movidas a combustíveis como gás natural, carvão, óleo combustível e diesel.  


Prefeitos reivindicam volta de incentivo para assistência hospitalar

Em assembleia, nesta sexta-feira, realizada na Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), prefeitos e secretários municipais de Saúde de mais de 50 prefeituras decidiram elaborar um documento pedindo ao governo do Estado o repasse imediato do Incentivo de Cofinanciamento da Assistência Hospitalar (Ihosp). Caso isso não aconteça, o presidente da Comissão de Municípios com Hospitais de Pequena Porte e prefeito de Chiapetta, Osmar Kuhn, afirmou que poderá ocorrer o fechamento de 125 hospitais com até 50 leitos.O documento será entregue ao governador José Ivo Sarori hoje, às 16h.

“Os municípios precisam da contrapartida financeira do Executivo para que possamos manter os serviços em funcionamento nos hospitais e possamos pagar os funcionários”, afirmou Kuhn. A falta de repasses aos hospitais de pequeno porte começaram em agosto do ano passado e já chega a R$ 30 milhões. Conforme o prefeito de Chiapetta, os gestores municipais consideram contraditória a postura adotada pelo governo estadual em reduzir custos dos hospitais de pequeno porte. “A falta de repasses aos hospitais fará com que se amplie a despesa com deslocamento de pacientes, além de aumentar a superlotação das instituições dos grandes centros”. Para Kuhn, os hospitais de pequeno porte precisam ser fortalecidos para que as instituições de saúde de outras cidades não fiquem sobrecarregadas com pacientes.

Kuhn esclareceu que a manutenção dos hospitais em municípios do interior reduz também o serviço de ambulancioterapia, diminui os custos com transporte de pacientes, humaniza o atendimento médico, reduz as filas de espera em grandes hospitais e garante a permanência de médicos nas pequenas cidades.

Para tentar retomar o Ihosp, que não é realizado desde agosto de 2014, os prefeitos defendem a ampliação do limite de saque dos depósitos judiciais. Segundo o prefeito de Chiapetta, após uma mobilização da Famurs e uma série de negociações com o Executivo, o Estado voltou atrás na decisão e aceitou manter o pagamento de incentivo para todos os hospitais. No entanto, o acordo não está sendo cumprido e há atrasos na transferência de recursos. O prefeito de Butiá, Paulo Machado, disse as prefeituras não têm mais recursos para manter as estruturas de portas abertas. “Sem o auxílio, as prefeituras ficarão inviabilizadas de manter os hospitais de pequeno porte”.


Fonte: Cláudio Isaías / Correio do Povo

Policiais civis gaúchos paralisam a partir de segunda-feira

Policiais civis paralisam a partir de segunda-feira | Foto: Tarsila Pereira / CP Memória 
 
O Sindicato dos Policiais Civis (Urgeirm) definiu nessa quinta-feira a paralisação da categoria por quatro dias a partir da meia-noite da próxima segunda-feira. A decisão foi tomada em assembleia, realizada nessa quinta em Porto Alegre, e confirmada nesta sexta pelo vice-presidente da entidade, o escrivão Fábio Castro. O ato ocorrerá em função do parcelamento de salários anunciado pelo governador do Estado, José Ivo Sartori.  

Em entrevista ao Correio do Povo, Castro comentou que a paralisação deverá contar com várias atividades. Uma delas foi classificada como um ato simbólico e ocorrerá em São Borja, no cemitério onde João Goulart está enterrado. "Vamos discutir a Lei de Responsabilidade Fiscal no auditório Dante Barone e no dia 4 vamos a São Borja e convocar os parlamentares da cidade para um ato no cemitério onde Jango foi sepultado. Essa manifestação é um apelo pelo resgate dos valores trabalhistas", explicou.

Castro detalhou ainda a orientação dada aos policiais civis e aos colegas da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) e da Brigada Militar (BM) sobre o boicote à operação Verão. "O que nós estamos repassando é para que os servidores não se inscrevam na operação. Tradicionalmente, os policiais não recebem a diária em dia e todos acabam arcando com dinheiro do próprio bolso para trabalhar no litoral. A orientação é para que o servidores só saiam para o seu local de trabalho com a diária paga de forma antecipada", explicou.

O vice-presidente da Urgeirm afirmou que uma ação judicial não está descartada caso o governo decida convocar os servidores. "A gente realmente não sabe o que vai acontecer, mas caso esta convocação seja feita com o não pagamento da diária, nós vamos entrar com medida judicial para impedir a saída dos policiais. Este governo tem uma nova forma de governar e há uma falta de consideração com o aumento da criminalidade", acrescentou.